Página 1 de 7

O Galeão São João Batista (Botafogo) visto por Vermeyen

Enviado: quarta nov 02, 2011 2:30 am
por Genésio Machado Jr
A verdadeira face do “BOTAFOGO”?

Boas meus amigos.
Esta semana ao participar de um fórum a respeito da construção do Galeão São João Batista da Altaya tomei conhecimento de uma história interessantíssima que nos remete também, pelo incrível que pareça, a história da cidade do Rio de Janeiro.
Fui a campo pesquisar e encontrei o seguinte:
O galeão São João Batista foi construído em Portugal no ano de 1534 (1519?) a tempo de participar da Conquista de Tunis. Pelo que consta ele tinha um deslocamento 1000 toneladas e era armado com 366 (200?) peças de artilharia em bronze, é claro que boa parte deveria ser de artilharia miúda. Mas mesmo assim era a nave mais poderosa de sua época, tanto que foi requisitado pelo rei Carlos V para junto com a Nau Sant’ Anna serem a ponta de lança da esquadra na tomada de Golleta. Os cronistas da época relatam que sob o comando do Infante D. Luis, irmão do Rei D. João III, ele partiu a corrente que protegia a entrada do porto de Golleta usando o seu poderoso esporão e que devido ao seu inigualável poder de fogo recebeu a alcunha de “BOTAFOGO”. Os feitos deste galeão foram tantos que nobres portugueses tiraram carta de brasão e armas com o título de Botafogo.
No Brasil, por volta de 1590, o descendente de uma dessas famílias, João Pereira de Souza Botafogo, lugar tenente do Governador Geral Antônio Salema, devido a serviços prestados a coroa, ganhou duas sesmarias, uma delas uma enseada próxima à cidade que florescia e a qual ficou conhecida pelo nome Botafogo, hoje um famoso bairro da cidade.
Mas qual deveria ser a aparência do galeão “Botafogo”?
Para a nossa sorte a Conquista de Tunis em 1535, em espacial a tomada do porto de Golleta talvez tenha sido a primeira batalha com cobertura jornalística, pois o Imperador Carlos V levou uma equipe de cronistas e artistas para registrarem os acontecimentos e entre eles se encontrava Jan Corneliz Vermeyen, que ficou famoso por suas aquarelas e tapeçarias que descrevem os acontecimentos em Golleta. Como já dito, o galeão Botafogo foi a ponta de lança da esquadra , rompendo com o seu esporão a corrente que protegia a entrada do porto, possibilitando a invasão. Vermeyen em duas de suas tapeçarias nos mostra o desenho do Galeão SJB e o da Nau espanhola Sant’Anna. Olhando o desenho fica claro que ele não se preocupou com as proporções e escalas, mas as linhas gerais e os componentes como por exemplo o esporão estão todos lá. Existe também uma gravura pormenorizada executada por Frans Hogenberg ainda no século XVI baseado nos desenhos de Vermeyen que também esclarecem alguns detalhes dos cordames.
Não tenho dúvidas que estas imagens que estou postando são as representações mais fieis do que teria sido a “verdadeira face do BOTAFOGO”.
Estou muito tentado a começar construí-lo logo após a nau SCMS. Vamos ver...

Re: A Verdadeira Face do Galeão S. João Baptista

Enviado: quarta nov 02, 2011 9:22 am
por pedro barata
boas, :neutral6:

obrigado por partilhar, muito interessante :neutral10: :neutral10: vem aí mais um projecto novo :neutral10: :neutral10:

cumprimentos

pedro barata

Re: A Verdadeira Face do Galeão S. João Baptista

Enviado: quarta nov 02, 2011 11:10 pm
por PAULO PEREIRA
Boa introdução :neutral7:
Venha ele ;-)

Re: A Verdadeira Face do Galeão S. João Baptista

Enviado: quinta nov 03, 2011 1:24 am
por Pedro Alves da Silva
Caro Genésio
Nem dá para fazer a digestão, e já estás a cozinhar outro manjar!
Venha ele
:Desvairado: :Desvairado: :toquenemposso: :toquenemposso: :toquenemposso:

Um abraço
Pedro

Re: A Verdadeira Face do Galeão S. João Baptista

Enviado: quinta nov 03, 2011 12:42 pm
por Genésio Machado Jr
Boas meus amigos.
Que bom que vocês gostaram. Mas vamos com calma nessa hora, pois andei revendo algumas prioridades e conclui que ainda tenho muito trabalho na NSCMS e além disso ainda tem um concurso público que quero prestar e que já se aproxima. Tenho muita coisa para estudar. Sendo assim esta tentação terá de esperar. :(
Mas quem quiser se aventurar comigo nesta empreitada será bem vindo. :ferramenta:

Re: A Verdadeira Face do Galeão S. João Baptista

Enviado: sábado nov 05, 2011 2:13 am
por Miguel Parente
...esse "avançado" continua a confundir-se com o esporão (como realmente o conhecemos, das birremes, etc)...

Boa Genésio ;-)

Re: A Verdadeira Face do Galeão S. João Baptista

Enviado: sábado nov 05, 2011 11:28 am
por Pedro Alves da Silva
Como o Miguel, já abriu as hostilidades...
Genésio escreveu:
... ele partiu a corrente que protegia a entrada do porto de Golleta usando o seu poderoso esporão ...
Gostava de saber como, com o esporão, mostrado nas pinturas.
Se a corrente estava abaixo da linha de água, não foi com o esporão.
Se estava acima da linha de água, das três uma, ou acertava com o bico no buraco do elo da corrente, ou esta ía para baixo e então era a roda de proa a parti-la, ou esta Ia por cima do esporão e era partida com o beque.
Fiquei confuso.
A única coisa, que esta frase, me diz é que a massa do navio, devia ser grande e toda a estructura da proa bem forte.

Re: A Verdadeira Face do Galeão S. João Baptista

Enviado: sábado nov 05, 2011 1:19 pm
por Genésio Machado Jr
Como o Miguel, já abriu as hostilidades...
:Socorro: :neutral18:
Se estava acima da linha de água, das três uma, ou acertava com o bico no buraco do elo da corrente, ou esta ía para baixo e então era a roda de proa a parti-la, ou esta Ia por cima do esporão e era partida com o beque.
Bom, para responder a esta pergunta teremos de invocar o espírito do cronista da época para que ele se explique. :mrgreen:
Mas eu tenho um palpite. Conforme você pode ver na imagem do esporão da Sant'Anna que estou postando abaixo nota-se que ele tinha o formato de um agulhão que vai engrossando como um cone. Eu pensei que uma equipe dependurada no esporão ou com auxílio de bateis poderiam dirigir um dos elos da corrente na direção do agulhão. Depois era só deixar a energia cinética da nau fazer o resto, estourando o elo.
Em referência ao que o Miguel postou, confesso que estes desenhos da tomada de Golleta feitos pelo Vermeyen, testemunha ocular da tomada, são os únicos até hoje em que eu vi esporões aparentemente funcionais em naus e galeões, daí que eu me questiono: será que que eles não adaptaram estes esporões nas naus para esta missão específica? Olhando o desenho dos esporões nos dá impressão que eles não fazem parte da estrutura do barco, parecem que foram montados ali. Mas quem vai saber a verdade?

Re: A Verdadeira Face do Galeão S. João Baptista

Enviado: sábado nov 05, 2011 2:14 pm
por Jose Elias
:neutral5:

Sobre este assunto, aconselho vivamente a leitura integral do seguinte artigo, que inclui bibliografia interessante.

http://cvc.instituto-camoes.pt/navegaport/c11.html


Leia-se igualmente a página 415 em especial a nota de rodapé

http://books.google.pt/books?id=gftWAAA ... &q&f=false

Abraço

José Elias

Re: A Verdadeira Face do Galeão S. João Baptista

Enviado: sábado nov 05, 2011 5:01 pm
por Jose Elias
:neutral5:



During the next two centuries, the man-of-war became even more popular. The most powerful warship in the world at the time was a Portuguese galleon that was nicknamed Botafogo (meaning "fire maker" or "spitfire").

Re: A Verdadeira Face do Galeão S. João Baptista

Enviado: sábado nov 05, 2011 5:22 pm
por Jose Elias
:neutral5:

Peços vistos o esporão era comum e bem real o que contraria as teorias apresentadas na obra atrás indicada. :neutral16:

Elias

Re: A Verdadeira Face do Galeão S. João Baptista

Enviado: sábado nov 05, 2011 5:44 pm
por Miguel Parente
Continuo na minha: o "esporão" era o beque, pelo menos para este tipo de embarcações!!!!
(repare-se que a escala não existe nestas imagens...comparados com alguns canhões, esses "espigões" seriam palitos...)

E, como refere o PAS, a roda da proa era reforçada nestas embarcações de guerra...qualquer corrente seria partida por um barco daquelas dimensões e tonelagem...
corrente.gif

Re: A Verdadeira Face do Galeão S. João Baptista

Enviado: sábado nov 05, 2011 6:59 pm
por Jose Elias
:neutral5:

Lê a página 349 e seguinte- Podes fazer o Download de toda a obra.

http://books.google.com.br/books?id=-hK ... &q&f=false

Elias

Re: A Verdadeira Face do Galeão S. João Baptista

Enviado: sábado nov 05, 2011 7:53 pm
por Pedro Alves da Silva
Caros

Será que a palvra chave desta discução estará na palavra "TALHAMAR"
talhamar.png
TALHAMAR - Porção vertical do patilhão, até onde começa o «peito do beque», o qual aguentava a «figura de proa» nos antigos navios de madeira. Hoje é a parte avançada da roda de proa, próxima ou ou na linha de água. - "Dicionário ilustrado de marinha" -autor António Marques Esparteiro ISBN 972-561-325-2 -

Qualquer coisa do tipo muleta do Seixal.

Um abraço
Pedro
PS: Eh,Eh isto está a aquecer.

Re: A Verdadeira Face do Galeão S. João Baptista

Enviado: sábado nov 05, 2011 7:59 pm
por Genésio Machado Jr
Muuuuuuuuuuuuuuuuuuuito obrigado amigo José Elias :obrigadinho:
Eu fico embasbacado de como você consegue encontrar estas preciosidades.
Quando eu li a pag 349 do "DIARIO PORTUGUES"cheguei a me arrepiar, pois confirmou justamente o que eu suspeitei há 6 posts atrás. Aqueles esporões foram colocados especialmente para aquela missão. Mas o texto fala de serra, trazendo mais dúvidas ao debate.

É o que eu sempre digo, estamos na era da internet e muitas informações podem ser cruzadas e muitos conceitos tem que ser revistos.

Re: A Verdadeira Face do Galeão S. João Baptista

Enviado: segunda nov 07, 2011 12:12 am
por Jose Elias
:neutral5:

Este navio esteve na tomada de Tunis ao lado do Nosso S. João Baptista e tal como ele tinha reforços metálicos na proa.

"Santa Anna was launched in Nice on 21 December 1522,[2] one day before the Knights Hospitaller surrendered at the siege of Rhodes (1522) under honorable terms.
The underwater hull of Santa Anna was completely sheathed with lead plates. Above the waterline two of the six decks of the ship were also armoured with lead plates, which were fastened by bronze nails to the wooden ship hull. Santa Anna was designed to accommodate 500 marines besides the sailors and it featured below-deck large cabins and messes for its officers. The carrack housed a forge, where three weapon smiths could do maintenance work at sea."

Re: A Verdadeira Face do Galeão S. João Baptista

Enviado: segunda nov 07, 2011 12:22 am
por Jose Elias
:neutral5:

Como se tratava de placas de chumbo talvez fosse por causa do Taredo ou Teredo e servissem de protecção, mas, então porquê até dois decks acima da linha de água?

E reparem no esporão com uma espécie de bola.

Elias

Re: A Verdadeira Face do Galeão S. João Baptista

Enviado: segunda nov 07, 2011 12:48 am
por Jose Elias
:neutral5:


"The Botafogo was used both in the Atlantic and in the Mediterranean, where it became famous during the conquest of Tunis. In that battle, the Botafogo was commanded by Infante Luís, Duke of Beja, brother of John III and brother-in-law of Charles V.

According to historians, it was the Botafogo spur ram that broke up the chains at La Goletta, which defended the port entrance of Tunis, allowing the Christian allied fleet to reach and conquer the city.

One member of the crew named João de Sousa Pereira, a noble from the city of Elvas, became famous because he was responsible for the ship's artillery, and he also got the nickname of Botafogo, which he later included in his family name. Later, he went to live in Brazil, fighting against the French and the local Tupi Indians. As a reward, the Portuguese Crown granted him some lands known today as the Botafogo area."

Elias

Re: A Verdadeira Face do Galeão S. João Baptista

Enviado: segunda nov 07, 2011 2:29 am
por Jose Elias
:neutral5:


Leia-se este texto

http://upetd.up.ac.za/thesis/available/ ... apter1.pdf


Aqui é referido claramente o esporão existente no S. João Baptista

Elias

Re: A Verdadeira Face do Galeão S. João Baptista

Enviado: segunda nov 07, 2011 2:38 am
por Genésio Machado Jr
Errata!!! :oops:
Na introdução eu dizia que o São João Batista foi requisitado pelo rei francês, mas a França não participou desta pendenga. Quem fez tal requisição foi o Imperador espanhol Carlos V.
Me desculpem pela confusão.

Saudações do amigo
Genésio