O Galeão São João Batista (Botafogo) visto por Vermeyen

Apenas para as construções em POB (Planck-On-Bulkhead), ou seja, com falsas cavernas e a partir de PLANOS ou monografias.
Avatar do Utilizador
Genésio Machado Jr
Vice-Almirante
Vice-Almirante
Mensagens: 2016
Registado: segunda abr 02, 2007 1:58 am
Localização: NIterói - Rio de Janeiro - Brasil

Re: O Galeão Botafogo ( retratado por J.C. Vermeyen )

Mensagem por Genésio Machado Jr » sábado jul 06, 2013 7:11 pm

Obrigado pelos comentários amigo João Silva.
Senguem mais alguns avanços.
Confeccionei a amurada do castelo de proa.
Coloquei as tampas das seteiras da primeira coberta.
http://masterofseas.blogspot.com.br/
Imagem
Imagem
Imagem
"Embora ninguém possa voltar atrás e fazer um novo começo, qualquer um pode começar agora a fazer um novo fim."
(Chico Xavier)

http://i11.photobucket.com/albums/a165/ ... -p-1-2.jpg

Avatar do Utilizador
Genésio Machado Jr
Vice-Almirante
Vice-Almirante
Mensagens: 2016
Registado: segunda abr 02, 2007 1:58 am
Localização: NIterói - Rio de Janeiro - Brasil

Re: O Galeão Botafogo ( retratado por J.C. Vermeyen )

Mensagem por Genésio Machado Jr » segunda jul 15, 2013 2:39 am

Consegui encontrar a origem da gravura que posto abaixo onde vemos galeões compridos com espigões, iguais ao desenhado por Vermeyen. São do Roteiro do Mar Roxo de D. João de Castro, 1540. Como já dito D. João de Castro participou da tomada de Goleta e foi testemunha ocular daquelas embarcações que participaram. Em 1540 foi designado como capitão de um galeão pelo Vice Rei D. Estêvão da Gama para a incursão ao Suez, quando fez o seu famoso roteiro. Apesar dessas gravuras do Roteiro do Mar Roxo abordarem outro contexto, em outro lugar, elas nos dão ciência dos tipos de embarcações usadas na época. É sabido que 60 embarcações de alto bordo participaram da incursão ao Suez em 1540. Será que a São João Batista estaria entre elas? A embarcação desenhada em primeiro plano no Roteiro do Mar Roxo lembra bastante a São João Batista desenhada por Vermeyen em 1534.
Não tem Permissão para ver os ficheiros anexados nesta mensagem.
"Embora ninguém possa voltar atrás e fazer um novo começo, qualquer um pode começar agora a fazer um novo fim."
(Chico Xavier)

http://i11.photobucket.com/albums/a165/ ... -p-1-2.jpg

Avatar do Utilizador
Genésio Machado Jr
Vice-Almirante
Vice-Almirante
Mensagens: 2016
Registado: segunda abr 02, 2007 1:58 am
Localização: NIterói - Rio de Janeiro - Brasil

Re: O Galeão Botafogo ( retratado por J.C. Vermeyen )

Mensagem por Genésio Machado Jr » quarta jul 17, 2013 9:39 pm

Seguem aqui os últimos avanços.
Coloquei algumas cintas e arramates.

http://masterofseas.blogspot.com.br/
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
"Embora ninguém possa voltar atrás e fazer um novo começo, qualquer um pode começar agora a fazer um novo fim."
(Chico Xavier)

http://i11.photobucket.com/albums/a165/ ... -p-1-2.jpg

adriano cxs
2º Subsargent
2º Subsargent
Mensagens: 51
Registado: quinta nov 08, 2012 4:19 pm
Localidade: Caxias do Sul

Re: O Galeão Botafogo ( retratado por J.C. Vermeyen )

Mensagem por adriano cxs » quarta jul 17, 2013 9:43 pm

continuo apreciando e espero um dia chegar a este nível
abrsços

Avatar do Utilizador
pereiramodelista
Comodoro
Comodoro
Mensagens: 1358
Registado: quarta mar 11, 2009 11:19 am
Localidade: Resende256NZHB
Localização: Resende - RJ - Brasil

Re: O Galeão Botafogo ( retratado por J.C. Vermeyen )

Mensagem por pereiramodelista » terça jul 23, 2013 11:22 pm

A nau botafoguense está linda. É pena que a pintura escura encubra o trabalho de revestimento de madeira. Não que eu seja contra, pois é necessário. Parabéns e bons ventos. :neutral6:
Vida longa e próspera.

Avatar do Utilizador
Genésio Machado Jr
Vice-Almirante
Vice-Almirante
Mensagens: 2016
Registado: segunda abr 02, 2007 1:58 am
Localização: NIterói - Rio de Janeiro - Brasil

Re: O Galeão Botafogo ( retratado por J.C. Vermeyen )

Mensagem por Genésio Machado Jr » quarta jul 24, 2013 9:48 pm

Boas Mestre Pereira
Na verdade eu só estou pintando as cintas para contrastarem com a madeira mais clara do revestimento. Pintura no casco, só o fundo preto , simulando gala-gala.
Mas aproveitando o post seguem mais alguns avanços.
Iniciei a construção da balaustra do convés principal e coloquei mais algumas cintas.
Confiram:

http://masterofseas.blogspot.com.br/
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
"Embora ninguém possa voltar atrás e fazer um novo começo, qualquer um pode começar agora a fazer um novo fim."
(Chico Xavier)

http://i11.photobucket.com/albums/a165/ ... -p-1-2.jpg

Avatar do Utilizador
pereiramodelista
Comodoro
Comodoro
Mensagens: 1358
Registado: quarta mar 11, 2009 11:19 am
Localidade: Resende256NZHB
Localização: Resende - RJ - Brasil

Re: O Galeão Botafogo ( retratado por J.C. Vermeyen )

Mensagem por pereiramodelista » quinta jul 25, 2013 3:41 am

A nau está ficando a cada dia mais linda. Parabéns! :neutral10: :neutral10: :neutral10:
Vida longa e próspera.

Avatar do Utilizador
AldoRamos
1º Tenente
1º Tenente
Mensagens: 186
Registado: quinta mai 06, 2010 7:33 pm
Localidade: Brasil
Localização: Balneario Camboriú - Brasil

Re: O Galeão Botafogo ( retratado por J.C. Vermeyen )

Mensagem por AldoRamos » quinta jul 25, 2013 2:51 pm

pereiramodelista Escreveu:A nau está ficando a cada dia mais linda. Parabéns! :neutral10: :neutral10: :neutral10:
Faço minhas as palavras do Mestre Pereira! :neutral7: :neutral10: :neutral7: :neutral10:
"De nada adianta o vento estar a favor se não se sabe pra onde virar o leme."(ditado popular)

Avatar do Utilizador
Genésio Machado Jr
Vice-Almirante
Vice-Almirante
Mensagens: 2016
Registado: segunda abr 02, 2007 1:58 am
Localização: NIterói - Rio de Janeiro - Brasil

Re: O Galeão Botafogo ( retratado por J.C. Vermeyen )

Mensagem por Genésio Machado Jr » domingo ago 18, 2013 4:54 am

Valeu Aldo e Pereira pelos comentários. :neutral10:
Seguem mais alguns avanços. Mas antes gostaria de comentar um estranho achado que o amigo José Elias está a pesquisar. Trata-se de uma bandeira de guerra incomum, retratada por Vermeyen em 1536. Sabe-se que a clássica bandeira de guerra portuguesa é de 1640, onde se vê a cruz verdadeira sobre um fundo completamente verde, mas nesta de 1536 o fundo é verde e amarelo. Vamos a guardar as pesquisas.
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem

E aqui os avanços na construção:
Coloquei os parapeitos das amuradas e balaustradas
Confeccionei algumas estruturas que iam na proa, conforme indica a pintura de Vermeyen.
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
"Embora ninguém possa voltar atrás e fazer um novo começo, qualquer um pode começar agora a fazer um novo fim."
(Chico Xavier)

http://i11.photobucket.com/albums/a165/ ... -p-1-2.jpg

Avatar do Utilizador
Jose Elias
Contra-Almirante
Contra-Almirante
Mensagens: 1846
Registado: sexta mai 18, 2007 3:30 pm
Localidade: Casal de Cambra- Sintra

Re: O Galeão Botafogo ( retratado por J.C. Vermeyen )

Mensagem por Jose Elias » domingo ago 18, 2013 9:04 pm

:neutral5:

Amigo Genésio

Tenho tentado encontrar essa bandeira, mas, se de facto o artista a retratou correctamente ainda não cheguei a nenhuma conclusão.

Quem comandava o S. João Batista era D. Luis Duque de Beja e filho de D. Manuel I. É sabido que ele era Prior da Ordem de Malta na altura com sede no Crato.
A sua origem era de Aragão e estava ligado à casa dos Habsburgos, que mais tarde integraram o reino de portugal.
Sobre este assunto veja este blog http://ordemdesaolazaro.blogspot.pt/p/heraldica.html
De referir que esta "empresa" foi assumida por navios de várias origens e por cavaleiros de várias ordens. Eventualmente uma análise mais aprofundada das diderentes ordens e mesmo dos diferentes priorados europeus da mesma ordem, nos possa trazer alguma luz.

Vou continuar a pesquisar.

Abraço
Não tem Permissão para ver os ficheiros anexados nesta mensagem.

Avatar do Utilizador
Genésio Machado Jr
Vice-Almirante
Vice-Almirante
Mensagens: 2016
Registado: segunda abr 02, 2007 1:58 am
Localização: NIterói - Rio de Janeiro - Brasil

Re: O Galeão Botafogo ( retratado por J.C. Vermeyen )

Mensagem por Genésio Machado Jr » segunda ago 19, 2013 3:16 am

Boas amigo José Elias
Fico torcendo para que você consiga encontra-la, mas temo que não exista mais indícios desta bandeira além dos desenhos de Vermeyen, se não alguem já a teria descrito. Também estou fazendo pesquisas na internet, más ainda não encontrei nada. Por enquanto só a considero plausível.
Obrigado pela força.

Abraço
"Embora ninguém possa voltar atrás e fazer um novo começo, qualquer um pode começar agora a fazer um novo fim."
(Chico Xavier)

http://i11.photobucket.com/albums/a165/ ... -p-1-2.jpg

Avatar do Utilizador
Genésio Machado Jr
Vice-Almirante
Vice-Almirante
Mensagens: 2016
Registado: segunda abr 02, 2007 1:58 am
Localização: NIterói - Rio de Janeiro - Brasil

Re: O Galeão Botafogo ( retratado por J.C. Vermeyen )

Mensagem por Genésio Machado Jr » quarta ago 28, 2013 6:57 pm

Uma prévia com a estrutura do esporão.
http://masterofseas.blogspot.com.br/
Imagem
"Embora ninguém possa voltar atrás e fazer um novo começo, qualquer um pode começar agora a fazer um novo fim."
(Chico Xavier)

http://i11.photobucket.com/albums/a165/ ... -p-1-2.jpg

Avatar do Utilizador
Genésio Machado Jr
Vice-Almirante
Vice-Almirante
Mensagens: 2016
Registado: segunda abr 02, 2007 1:58 am
Localização: NIterói - Rio de Janeiro - Brasil

Re: O Galeão Botafogo ( retratado por J.C. Vermeyen )

Mensagem por Genésio Machado Jr » sexta out 04, 2013 1:58 am

Mais alguns avanços no esporão e uma prévia do leme
Imagem
Imagem
Imagem
"Embora ninguém possa voltar atrás e fazer um novo começo, qualquer um pode começar agora a fazer um novo fim."
(Chico Xavier)

http://i11.photobucket.com/albums/a165/ ... -p-1-2.jpg

pedro barata
Capitão de Mar-e-Guerra
Capitão de Mar-e-Guerra
Mensagens: 905
Registado: quinta abr 10, 2008 8:42 am
Localização: FEIJÓ

Re: O Galeão Botafogo ( retratado por J.C. Vermeyen )

Mensagem por pedro barata » sexta out 04, 2013 12:26 pm

boaas, :neutral6:

como sempre exelente construção, o esporão dá-lhe logo outro aspecto, fora do habitual, tipo não se metam comigo.

Avatar do Utilizador
pereiramodelista
Comodoro
Comodoro
Mensagens: 1358
Registado: quarta mar 11, 2009 11:19 am
Localidade: Resende256NZHB
Localização: Resende - RJ - Brasil

Re: O Galeão Botafogo ( retratado por J.C. Vermeyen )

Mensagem por pereiramodelista » sexta out 04, 2013 10:38 pm

Acompanhando a evolução da obra com muito interesse. Força e saúde! :neutral10:
Vida longa e próspera.

Avatar do Utilizador
Genésio Machado Jr
Vice-Almirante
Vice-Almirante
Mensagens: 2016
Registado: segunda abr 02, 2007 1:58 am
Localização: NIterói - Rio de Janeiro - Brasil

Re: O Galeão Botafogo ( retratado por J.C. Vermeyen )

Mensagem por Genésio Machado Jr » sábado out 05, 2013 2:42 pm

Obrigado pelos comentários amigos Pedro B. e Pereira. :neutral10:
Essa história do esporão , já amplamente debatida aqui, ainda dá margens a muitas divagações. Está relatado que era para romper uma corrente na entrada do porto de Goleta, mas se prestarmos atenção na pintura de Vermeien, veremos que todas a naus, inclusive a Santana, estavam equipadas com esporões. Mas por que? Todas iriam arrebentar a corrente (ou as correntes)? A princípio seriam sim para estourar elos de correntes, e as formas fusiforme atestam isso, pois se fossem para arrombar cascos de navios eles deveriam ter a forma de aríetes. Mas uma vez cumprida a tarefa de abrir a passagem ao porto, eles bem que poderiam ser usados como armas conta as galeras sem mastros otomanas.
Outra , como acertar aquele esporão exatamente no elo da corrente? Fiquei meditando a respeito e formulei uma teoria. Em posse da medida da altura do esporão até à linha d'água, um marujo, num batel, poderia remar até a corrente e marcar o ponto exato em que o galeão deveria golpear a corrente, de forma que o esporão atravessasse por um dos elos. Mas teria que se testar essa teoria na prática, pois são muitas as variáveis, como direção do vento, maré, ondulações e etc.
Imagem
"Embora ninguém possa voltar atrás e fazer um novo começo, qualquer um pode começar agora a fazer um novo fim."
(Chico Xavier)

http://i11.photobucket.com/albums/a165/ ... -p-1-2.jpg

Avatar do Utilizador
Jose Elias
Contra-Almirante
Contra-Almirante
Mensagens: 1846
Registado: sexta mai 18, 2007 3:30 pm
Localidade: Casal de Cambra- Sintra

Re: O Galeão Botafogo ( retratado por J.C. Vermeyen )

Mensagem por Jose Elias » sábado out 05, 2013 4:39 pm

:neutral5:

De facto amigo Genésio, quer os relatos, quer as pinturas, e até a passagem no livro que aqui relatei, dão-nos conta desse esporão. Sem dúvida.

Mas, deixo aqui um desafio aos homens da ciência, que sejam capazes de efectuar os cálculos necessários.

Que impulso seria necessário em toneladas/força para quebrar uma corrente que seria necessariamente bem forte?
Os barcos eram à vela, temos portanto aqui para além do apontou no seu último post outros factores a ponderar. Área vélica, correntes maritimas e marés, velocidade do vento, para além como é óbvio da própria resistência estrutural do navio.

Qualquer corrente de média dimensão, travaria a meu ver o andamento do navio, que não possuia recursos mecanicos (motor) para efectuar pressão, atendendo que por muito esticada que estivesse, a própria corrente recuaria, absorvendo assim parte da energia aplicada.

Cabos em vez de correntes? Talvez, mas, mesmo assim, não me parece que os simples elementos da natureza conjugados com as caracteristicas do navio pudessem rebentar com uma corrente, de mediana grossura. O navio ficaria bloqueado, isso sim.

Os técnicos que efectuem os cálculos.

Um

Abraço

Elias

P.S. Mas, continuo à procura de respostas.

Avatar do Utilizador
Genésio Machado Jr
Vice-Almirante
Vice-Almirante
Mensagens: 2016
Registado: segunda abr 02, 2007 1:58 am
Localização: NIterói - Rio de Janeiro - Brasil

Re: O Galeão Botafogo ( retratado por J.C. Vermeyen )

Mensagem por Genésio Machado Jr » sábado out 05, 2013 8:18 pm

Boas amigo José Elias
Outra variável importante a se considerar era a qualidade do metal da corrente, que era infinitamente inferior aos dos padrões atuais, bem como a sua grossura em relação a largura do canal.
Oitocentas toneladas se movendo a 8 nós é bastante energia. Só tem é que acertar o dilatador no elo da corrente de primeira :Anjinho:

Saudações do amigo
"Embora ninguém possa voltar atrás e fazer um novo começo, qualquer um pode começar agora a fazer um novo fim."
(Chico Xavier)

http://i11.photobucket.com/albums/a165/ ... -p-1-2.jpg

Avatar do Utilizador
pereiramodelista
Comodoro
Comodoro
Mensagens: 1358
Registado: quarta mar 11, 2009 11:19 am
Localidade: Resende256NZHB
Localização: Resende - RJ - Brasil

Re: O Galeão Botafogo ( retratado por J.C. Vermeyen )

Mensagem por pereiramodelista » sábado out 05, 2013 11:10 pm

Boa noite!
Quando vi o quadro do galeão Botafogo percebi que o esporão está mais para beque, elemento típico desse tipo dessa embarcação, do que para arma de impacto que era usada nas galés gregas e romanas na antiguidade. Se ele foi usado inicialmente nos galeões portuguesas acredito que foi como legado das galés da antiguidade. Pesquisado a fundo encontrei esse texto que certamente poderá gerar reflexões sobre o assunto. Ei-lo na íntegra:
Galeão
O galeão português do século XVI era um navio redondo de alto bordo, do tipo da nau, mas com algumas características diferentes: as linhas do casco eram mais afiladas e o bordo mais baixo, tal como os castelos de popa e proa, o que lhe conferia melhores capacidades marinheiras, reforçadas por um aparelho composto por quatro mastros, os da vante (grande e traquete) com pano redondo, e os da ré (mezena e contra-mezena) com pano latino, aparelho este que se distinguia do da nau pelo acrescento do mastro da contra-mezena, junto à popa. Estas características garantiam-lhe uma superior capacidade de manobra, fundamental para a guerra naval, e as linhas do casco com pequena elevação das superestruturas tornavam-no pior alvo para a artilharia inimiga, por comparação com o navio redondo típico.
Problema diferente é o do significado do termo galeão que aparece na documentação avulsa em 1510, mas em rigor não se pode afiançar que designe uma embarcação que corresponda ao perfil traçado em cima, o que quer dizer que em si a referência em causa pouco significa. Em fontes impressas, a ocorrência mais antiga é a dos Anais de Arzila, em apontamento relativo ao ano de 1516 (Bernardo Rodrigues, Anais de Arzila, p. 176). Mas o autor escreveu tardiamente em relação aos acontecimentos que descreve, o que retira segurança à precisão desta caracterização tipológica, além de se manter o problema anterior; continuamos sem saber o que é que se entendia pela palavra galeão nesta altura.
As dúvidas relativas à terminologia das embarcações têm toda a razão de ser, porquanto as fontes revelam-nos a cada passo que embarcações similares são denominadas de maneira diferente. A mais frequente destas situações é a que diz respeito ao binómio nau-galeão, termos frequentemente aplicados aos mesmos navios no mesmo documento, sugerindo que a distinção não era clara para aqueles que se lhes referiam: na "Folha dos Nauios que Sua Magestade tem nesta Coroa de Portugall" – de finais do século XVI -, figura uma lista inicial com os nomes e tonelagens desses navios: o segundo é o galeão "Sto. António" de 480 tonéis que, logo à frente, antes da descrição pormenorizada dos consertos que requeria e respectivos materiais, já é dado como nau (v. F. Contente Domingues, Os Navios do Mar Oceano, pp. 437-458).
Por outro lado, é lógico reconhecer que uma especialização funcional efectiva teria de se reflectir na armação. Ou seja, esperar-se-ia que os privados armassem navios de carga (naus) e o Rei navios de guerra (galeões), sem prejuízo de encomendar também os primeiros. Porém, a investigação levada a cabo por Maria Leonor Freire Costa deixou claro que não há uma estratégia dos particulares, distinta da estratégia da Coroa, na armação dos navios (Maria Leonor Freire Costa, Naus e Galeões na Ribeira de Lisboa, p. 296).
Importa agora discutir a relevância de dois aspectos técnicos neste contexto: o problema do esporão e a especificidade do aparelho do galeão.
Começando por este último, constata-se que há navios a armar quatro mastros com aparelho misto (pano redondo nos da vante e latino nos da ré) bem antes da primeira referência ao galeão português. O navio que figura nas portadas de duas edições Valentim Fernandes (Estoria de muy nobre Vespasiano, de 1496, e o Marco Paulo, de 1502) tem esta mastreação e aparelho, que por outro lado eram conhecidos em Inglaterra desde os finais do século XV. Ilustra-o mais que uma das doze figuras de traço apurado doWarwick Roll, encomendado pela filha ou pela neta de Richard Beauchamp, conde de Warwick, falecido em 1439 (Frank Howard, Sailing Ships of War, p. 14).
Em consequência, o aparelho por si só não chega para identificar o galeão, conclusão a que chegaram Lopes de Mendonça (Estudos Sobre Navios Portugueses dos Séculos XV e XVI, p. 31 ) e Pimentel Barata ("O galeão português (1519-1625)", p. 322), e isso percebe-se por outro motivo. Apesar da averiguação dos tipos de navios enviados para a Índia ser impossível porque, mais do que quaisquer outras fontes, cronistas e relações de armadas da Índia espelham a confusão reinante entre naus e galeões, está fora de dúvida que os galeões navegaram para o Oriente. Quirino da Fonseca sustentou que se tratava de um navio desenvolvido com o propósito específico de substituir as caravelas redondas nessas armadas ("O problema das características dos galeões portugueses", p. 78), quanto a nós com desacerto. Mas se o galeão fosse um navio distinguível pelo aparelho não se compreenderia porque é que não figura um único nas duas relações de armadas da Índia ilustradas, onde vemos apenas navios com três mastros, do tipo da nau, caravelas redondas e embarcações a remos (v. a Memória das Armadas e o Livro de Lisuarte de Abreu, ambos do terceiro quartel do século XVI).
Quanto ao problema do esporão, radica numa afirmação indocumentada de Lopes de Mendonça, facto raro nos seus escritos, muito seguros por regra ("o galeão, assim como a caravela, tem esporão" - op. cit., p. 31), que foi aceite depois por outros autores, como Quirino da Fonseca.
Esta convicção nasce de uma frase de Fernando Oliveira, que filia o galeão na galé: "E galeão, ou galeaça, por que tem alguma semelhança na figura, ou imitação do ofício das galés, tomam também delas a derivação dos nomes" (Livro da Fábrica das Naus, p. 49). Uma frase que induziu também os autores em causa a julgar que o galeão deriva da galé, mas neste caso nem sequer se podem assacar as culpas às etimologias duvidosas de Oliveira. Semelhança de figura existe sim entre a galé e a galeaça, pois são dois navios do mesmo tipo. A similitude entre a galé e o galeão é portanto a funcional, e a frase só quer dizer que, para Oliveira, o galeão estava vocacionado para a guerra naval. Deduzir que por isso tinha esporão é excessivo.
Não só o texto de Oliveira não autoriza esta interpretação, como o manuscrito das Aduertençias de nauegantes de Marcos Cerveira de Aguilar elucida que esporão (palavra que aparece nos documentos técnicos) significa o mesmo que beque (F. Contente Domingues, op. cit., pp. 209-210). A questão ficou resolvida com uma simples observação de Pimentel Barata, plena de oportunidade. Se o galeão é um navio redondo do tipo da nau, tem proa de roda; logo, não há onde suportar o esporão, entendido como arma de ataque similar à das galés. Mas se isso fosse possível, estar-se-ia perante uma circunstância muito estranha, já que a utilização dessa arma partiria forçosamente o mastro do gurupés: "não há um único documento técnico português que mencione o esporão dos galeões no sentido de estrutura especial para o ataque. Nem qualquer das representações portuguesas, incluindo os desenhos do Livro de Traças, mostra tal estrutura, perfeitamente inútil num navio que levava por ante a proa um mastro inclinado a 35o,o gurupés, que se partiria numa abordagem e, assim, comprometeria todo o aparelho" (J. G. Pimentel Barata, "Os Navios", p. 288).
A lenda do esporão teve vida longa e o seu expoente máximo é o célebre "S. João" ou "Botafogo", figura central nas tapeçarias que representam a campanha de Tunes, em 1535. A que ilustra a tomada da Goleta mostra-o dirigindo o ataque, que a descrição setecentista pormenoriza dizendo que foi com o esporão que o "Botafogo" rompeu as correntes e abriu caminho aos restantes navios. Desse relato ficou-se a saber que ia armado com 366 bocas de fogo (o que vários autores aceitaram). Enfim, toda uma história que persistiu no imaginário dos que queriam que tivesse havido um navio como este, como se afirma no estudo que dissecou exemplarmente a construção deste mito (José Virgílio Pissarra, "O galeão S. João (c. 1530-1551). Dados para uma monografia”).

Alguma diferença existiu entre o galeão e a nau, em algum momento. Talvez não seja possível ir muito mais longe, mas na que é porventura a mais notável de todas as imagens das Tábuas dos Roteiros da Índia de D. João de Castro, a "Tavoa da Aguada do Xeque", vê-se um conjunto de embarcações de vela representativo dos meios navais portugueses do segundo quartel do século XVI. É também a primeira imagem em que um artista com traço rigoroso na representação de navios faz figurar lado a lado uma nau e um galeão, evidenciando as diferenças entre ambos.
O centro da figura é ocupado pela imagem de um navio que corresponde perfeitamente à descrição convencional do galeão, sobretudo porque do lado esquerdo figuram duas naus (uma praticamente ao lado do galeão, e outra num plano mais recuado), também elas ilustrando as características que normalmente se lhes atribuem. O galeão tem quatro mastros, dois com pano redondo e dois com pano latino; as obras mortas visivelmente mais baixas que as das naus; as linhas de casco mais afiladas e, pormenor curioso, o beque decididamente lançado para vante, ao contrário dos das naus (embora só se veja bem numa delas), muito mais lançados em roda, como que em prolongamento da roda de proa.
A comparação dos traçados geométricos não deixa quaisquer dúvidas quanto à maior elegância de linhas do galeão de 500 tonéis, por comparação com a nau de 600, muito embora tenha maior boca. Por outro lado, se o aparelho não é em si mesmo sinal distintivo, o certo é que se encontra nasCoriosidades de Gonçallo de Sousa uma lista dos mastros e velas de um galeão que condiz por com a descrição feita acima.
Não há grandes dúvidas quanto à existência de diferenças visíveis na morfologia e características das naus e galeões; quando é que isso se começou a verificar é uma incógnita, dado que a simples ocorrência do termo pouco ou nada quer dizer, tal como não se sabe quando é que essa distinção deixou de poder ser assinalada. De seguro, pode afirmar-se que existiam galeões no tempo de D. João de Castro e na época da tratadística (designando assim o período de c. 1570 a c. 1640, durante o qual se escreveram os primeiros tratados portugueses de arquitectura naval), já que os regimentos técnicos distinguem perfeitamente as tonelagens dos navios do tipo da nau, de 80 até 600 tonéis, e do galeão, de 200 tonéis. Considerando o conjunto dos regimentos conhecidos para a construção destes navios (v. F. Contente Domingues, Os Navios do Mar Oceano, pp. 325-434), vê-se que o galeão de 500 tonéis tem mais um rumo de quilha que a nau de 600, e menores lançamentos: logo, o casco é mais afilado e mais baixo, apesar da boca ser ligeiramente maior.
A documentação conhecida elucida-nos quanto a um aspecto fundamental, corroborando a conclusão já avançada por Lopes de Mendonça: trata-se inequivocamente de um navio com uma relação entre o comprimento e a boca de 3:1, ou próxima disso, portanto do tipo da nau. Se morfologicamente eram do mesmo tipo, funcionalmente se-lo-iam também.
A ideia de que o galeão pudesse ser um navio "concebido e construído exclusivamente para a guerra no alto mar" (Pimentel Barata, "O galeão português (1519-1625)", p. 308). esbarra nas informações das fontes e nos incomportáveis custos económicos de tal opção. A afirmação de que o galeão transportava carga na Rota do Cabo nem carece de ser demonstrada, e a observação da forma do casco evidencia que é um navio bojudo, embora menos que a nau, perfeitamente capaz de servir para o mesmo tipo de aproveitamente comercial, como de facto foi. A simples suposição de que se pudessem ter feito dois navios de morfologia semelhante, para que um fizesse a Rota do Cabo ajoujado de mercadorias, e o outro fosse ao lado, em vazio, apenas para o proteger, é assim inaceitável.
O galeão tinha melhores condições que a nau para a guerra naval, mas era um navio bifuncional. A especialização para a guerra coube a outra embarcação, a caravela redonda ou de armada.
Francisco Contente Domingues
Bibliografia
BARATA, João da Gama Pimentel, "O galeão português (1519-1625)", in Estudos de Arqueologia Naval, vol. I, Lisboa, IN-CM, 1989, pp. 303-326.
IDEM, "Os Navios", in Estudos de Arqueologia Naval, vol. I, Lisboa, IN-CM, 1989, pp. 203-302.
COSTA, Maria Leonor Freire, Naus e Galeões na Ribeira de Lisboa. A construção naval no século XVI para a Rota do Cabo, Cascais, Patrimónia, 1997.
DOMINGUES, Francisco Contente, Os Navios do Mar Oceano. Teoria e empiria na arquitectura naval portuguesa dos séculos XVI e XVII, Lisboa, Centro de História da Universidade de Lisboa, 2004.
FONSECA, Henrique Quirino da, "O problema das características dos galeões portugueses", Arquivo Histórico da Marinha, vol. I, nº 1, 1933, pp. 77-91.
HOWARD, Frank, Sailing Ships of War, Londres, Conway Maritime Press, 1979.
Livro de Lisuarte de Abreu, Introdução de Luís de Albuquerque, Lisboa, CNCDP, 1992.
Memória das Armadas, edição facsímile, Macau, Instituto Cultural de Macau et al., 1995.
MENDONÇA, Henrique Lopes de, Estudos Sobre Navios Portugueses dos Séculos XV e XVI, 2ª ed., Lisboa, Ministério da Marinha, 1971 (1ª ed., 1892).
OLIVEIRA, Fernando, Livro da Fábrica das Naus, Biblioteca Nacional (Lisboa), reservados, cod. 3702.
PISSARRA, José Virgílio Pissarra, A Armada da Índia. Cômputo, Tipologia e Funcionalidade das Armadas de Guerra no Oriente (1501-1510), Diss. de Mestrado, Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, 2001.
IDEM, "O galeão S. João (c. 1530-1551). Dados para uma monografia", inFernando Oliveira e o Seu Tempo. Humanismo e Arte de Navegar no renascimento Europeu (1450-1650), Cascais, Patrimonia, 2000, pp. 185-224.
RODRIGUES, Bernardo, Anais de Arzila, ed. de David Lopes, vol. I, Lisboa, Academia de Ciências de Lisboa, 1915, p. 176.
SALGADO, Augusto, Os Navios Portugueses na "Felicíssima Armada", Diss. de Mestrado, Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, s/d [2002].
SALGADO, Augusto, e VAZ, João Pedro, Invencível Armada 1588. A Participação Portuguesa, Lisboa, Prefácio, 2002.
Tábuas dos Roteiros da Índia de D. João de Castro, estudo introdutório de Luís de Albuquerque, Lisboa, Inapa, 1988.
Vida longa e próspera.

Avatar do Utilizador
Genésio Machado Jr
Vice-Almirante
Vice-Almirante
Mensagens: 2016
Registado: segunda abr 02, 2007 1:58 am
Localização: NIterói - Rio de Janeiro - Brasil

Re: O Galeão Botafogo ( retratado por J.C. Vermeyen )

Mensagem por Genésio Machado Jr » domingo out 06, 2013 12:53 am

A lenda do esporão teve vida longa e o seu expoente máximo é o célebre "S. João" ou "Botafogo", figura central nas tapeçarias que representam a campanha de Tunes, em 1535.
Pereira
Foi justamente esse fatídico texto o pivô de toda nossa discussão a respeito da existência do esporão. Para contesta-lo me apoiei em dois autores distintos, que estavam presente na tomada de Goleta, J. C. Vermeyen e D João de Castro entre outros, que retrataram em suas obras os galeões com os ditos esporões. Por que eles inventariam isso? Mas como se não bastasse, uma crônica da época (Diário Português) bem como regimentos de época, um deles postado aqui pelo amigo José Elias na pag. 2 deste tópico, atestam a existência, inegavelmente, de tais estruturas ou análogas em galeões. O autor do dito texto parte de critérios subjetivos e ortodoxos, não levando em conta as evidências documentais e iconográficas, como se os testemunhos dos dois personagens históricos, de nacionalidades diferentes e que conviveram com tais galeões, não tivessem qualquer mérito.
Em suma, prefiro acreditar nas evidências.
Imagem

BEQUE?
Imagem

BEQUE?
Imagem

BEQUE?
Imagem

BEQUES?
Imagem

BEQUES?
Imagem
"Embora ninguém possa voltar atrás e fazer um novo começo, qualquer um pode começar agora a fazer um novo fim."
(Chico Xavier)

http://i11.photobucket.com/albums/a165/ ... -p-1-2.jpg

Responder